Comitê Diretor

A cada 3 anos, a Alianza Latina, a fim de assegurar a sua governança transparente, plural e igualitária, realiza eleições para escolha de membros para compor o Comitê Diretivo. 

Em 2019 três membros do Comitê Diretivo em exercício completam dois mandatos consecutivos e precisarão ser renovados. 

Portanto, a eleição de 3 novos membros ocorrerá durante o 14º Fórum a ser realizado na cidade de Santiago em novembro de 2019. 


INFORMAÇÕES IMPORTANTES: 

  • Somente representantes de associações MEMBRO PLENO poderão ser indicados. 
  • Associações MEMBRO ASSOCIADO podem indicar até 2 representantes de associações MEMBRO PLENO. 
  • Associações MEMBRO PLENO podem indicar 1 representante de sua associação e / ou nomear representantes de outras associações MEMBRO PLENO. 
  • Cada associação membro pode indicar até 2 representantes de diferentes associações. Pelo menos uma indicação deve ser de uma associação de outro país. 
  • As candidaturas deverão ser enviadas até o dia 19 de setembro de 2019, quinta-feira em formato PDF, pelo email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. 

 


DOWNLOAD DO FORMULÁRIO DE INDICAÇÃO

DOWNLOAD DO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA

 

Mais informações sobre nomeações e procedimentos para eleições podem ser encontradas no Regulamento Interno da Alianza Latina. 

Informações sobre o perfil, responsabilidades e código de conduta esperado dos candidatos podem ser encontradas no Regulamento do Comitê Diretor. 

Aqui você poderá fazer o download da Lista de associações de MEMBRO PLENO 

Se você tiver alguma dúvida, estamos à sua disposição. 

Esperamos poder contar com sua ajuda para que o novo Comitê Diretivo permaneça representativo e leve a Alianza Latina rumo a novos sucessos.

 

 

Membros atuais:


Adriana Feldman de Justo

Fundadora e presidente da Fundação Argentina de Talassemia (FUNDATAL) desde 1999 ela começou a traduzir para o espanhol, material bibliográfico e informativo. Também organiza reuniões e oficinas para pais e pacientes; bem como para os profissionais das conferências de saúde. Participou de eventos nacionais e internacionais e faz parte de redes distintas que ajudaram a fortalecer sua organização. É membro fundadora da Federación Argentina de Doenças Polco Frequentes (FADEPOF).

 


Antonia Luque

A 27 trabalha como voluntaria da Associação Venezuelana para a Hemofilia. Coordenadora Geral, minha principal função é coordenar em nível nacional as atividades referentes a aquisição, compra, aplicação e distribuição dos medicamentos referentes a Hemofilia. Responsável por dialogar com diferentes autoridades da Venezuela e todos que tenham poder de decisão no tema da saúde. Trabalho ativo na defesa dos Direitos Humanos para que as pessoas com diferentes doenças crônicas possam ter o seu direito assegurado.


Felipe Tapia Matus

A 8 anos apoia a Corporação MaxiVida Chile. É engenheiro e administrador de empresas com pós-graduação em gestão pública e organizações sociais. Atualmente é o presidente da Corporação MaxiVida Chile e trabalha como professor universitário no curso de engenharia da Universidades INACAP e também dá aulas para pessoas com necessidades especiais. 

 


Gloria Chávez

Artista plástica graduada pela Universidade Federal de Belas Artes de Porto Alegre, faz parte do comité diretor da Fundação ASOLEU desde 2001. De 2009 a 2013 foi presidente da Fundação ASOLEU sendo a responsável pelo funcionamento do escritório nas áreas administrativas, hospitalar, entrega de medicamentos e gestão das casas de apoio. Atualmente é secretaria geral do comité diretor da Fundação ASOLEU, supervisionando a casa de apoio Fausta Massolo. Em 2015 foi eleita membro do comitê diretor da Alianza Latina durante o 10º Fórum.


Haydée Benoit

Mãe de um menino com hemofilia, diagnosticado em Toronto, Canadá, buscou conhecer todas as informações necessárias para educar seu filho em melhores condições. Depois de retornar a seu país de origem, Republica Dominicana, ela percebeu que muitas famílias dominicanas que tinham crianças com hemofilia não tinham os conhecimentos básicos necessário para criar seus filhos. Dessa forma, juntamente com dois hematologistas e um pequeno grupo de pais, Haydée criou A Fundação de Apoio ao Hemofílico (Fahem) e desde então tem trabalhado em educar as famílias e crianças, bem como desenvolver trabalhados junto ao Ministério da Saúde, para que os pacientes tenham acesso aos medicamentos necessários a seus tratamentos.


Merula Steagall

Formada em Administração de Empresas e pós-graduada em Administração do Terceiro Setor, Merula é presidente da ABRALE/ABRASTA e faz parte da liderança das organizações internacionais, como a Coalizão Linfoma. Mãe orgulhosa de três filhos, e portadora de talassemia, com um filho que passou por um diagnóstico de linfoma, Merula participa ativamente de negociações com o governo para a melhoria das políticas que giram em torno do sistema de saúde brasileiro e ela também mobiliza parceiros no setor privado para melhorar a disponibilidade de tratamento para todos os pacientes com doenças raras ou de custo elevado.


 

Silvia Castillo de Armas

Devido a um diagnóstico de LMC, sua vida mudou drasticamente em direção a novos horizontes. Começou a trabalhar como Secretária Executiva e Assistente de diretivas conjuntas em uma organização para pessoas com deficiência auditiva senso ANAD e logo fundou uma organização para apoiar pacientes com LMC e tumores como GIST. Há 11 anos, ela recebeu seu diagnóstico de LMC e desde então, recebeu milhares de bênçãos e a oportunidade de crescimento espiritual e profissional. Hoje Silvia se dedica para melhorar e ajudar sua comunidade. Graças à sua família, os médicos, amigos, pacientes, voluntários, organizações internacionais e colaboradores, Silvia foi capaz de completar o seu trabalho através da organização ASOPALEU.

14º Fórum da Alianza Latina


  • 14º Fórum Alianza Latina – Melhores Práticas para o 3° Setor da Saúde - 12 e 13 de dezembro.

    Veja

Rede Alianza Latina

  • Missão

    Promover a capacitação, profissionalização e cooperação entre organizações de apoio ao paciente para melhorar, de forma contínua, a qualidade de vida dos pacientes na América Latina.

  • Visão

    Ser o maior interlocutor frente aos órgãos de saúde e governos na América Latina.